Total de visualizações de página

domingo, 10 de janeiro de 2016

Uma visita a Ubatuba

Praia de Itamambuca

















Voltei do meu pequeno recesso. Passei alguns dias em Ubatuba, litoral norte de São Paulo, cerca de 280 quilômetros do Rio, oitenta depois de Paraty. Apesar do pouco tempo, consegui ver muita coisa por lá. 

Ubatuba tem muito a nos ensinar em termos de turismo. Trata-se de uma cidade praiana com quase 400 anos de história e uma população que gira em torno de 90 mil pessoas, mas que recebe milhares no verão. 

Ubatuba tem quase a mesma idade de Cabo Frio: 374 anos. No aniversário de 300 anos da cidade, em 1937, um obelisco quase igual ao que foi erguido em Cabo Frio em 1915 foi construído lá. Tal como nossa cidade, Ubatuba também tem em sua história as lutas dos Tamoios com os portugueses. 

Ubatuba tem mais praias que Cabo Frio, algumas tão belas ou mais belas que as nossas. Os destaques vão para Puruba, Itamambuca, Felix e Praia Vermelha, as mais selvagens e apropriadas para o surf. Existem outras 30 praias bonitas. Logo, nem é preciso imaginar: a cidade recebe milhares de turistas no verão, principalmente do estado inteiro de São Paulo. 

Mas Ubatuba tem como condições de lazer para os turistas, além de suas belas praias, um belo Aquário, onde é possível vermos os peixes e demais animais da fauna local, inclusive tubarões. O Aquário se auto sustenta, pois custa 30 reais por pessoa e vive lotado.

O Museu do Automóvel, que reúne cerca de 40 carros clássicos, é outro local imperdível na cidade, que detém ainda igrejas e casas históricas bem preservadas e que funcionam como opções de visitação aos turistas.  

Em Ubatuba, existe a chamada Zona Azul, que abrange locais onde o governo  cobra 12 reais para vc estacionar por dia. Quase toda a cidade é coberta por esta zona. Imagine o faturamento por verão !

Ubatuba é um inferno para os onibus de turismo, que têm que pagar caro para entrar na cidade. Se o farofeiro vem de carro, logo fica sabendo que a multa por som alto é superior a 5 mil reais. As faixas divulgando isso estão em toda a cidade.  

Ilha de Anchieta
Um dos melhores passeios da cidade é visitar a impressionante Ilha de Anchieta, que foi um presídio do início do século 20 até 1955. Nesta Ilha Presídio, menos conhecida que a Ilha Grande, mas mais importante que sua irmã angrense historicamente, foram presos centenas de estrangeiros durante  e logo depois da segunda guerra, a maioria japoneses leais ao imperador. 

Em 1952, ocorreu ali a maior fuga de presos que se tem notícia. Cerca de 420 presos saíram do presídio e se embrenharam nas matas. A fuga e a chegada da polícia geraram uma onda de sangue que fez o governo de São Paulo fechar o presidio em 1955. 

A ilha, além de patrimônio histórico devido às suas ruínas, é hoje um verdadeiro santuário ecológico, com praias desertas, trilhas e cachoeira. Recentemente a ilha recebeu a visita de um navio da National Geographic. 

Um comentário:

Família disse...

O povo daqui deveria aprender um pouco com esses exemplos. Mas aqui cultivam o turismo de servidão. As pessoas abrem as pernas pro turista, e eles vem esculhambando a cidade. Acham inclusive que somos um bando de mortos de fome. Estava entrando no estacionamento da praia das conchas, e o turista na minha frente ficou indgnado dele pagar 10 reais e eu 3. Falou que ele não era pra pagar nada, e eu pagar por ele, porque ele tras divisas pra cidade. Só consegui rir, falei pra ele que eu acho que o turista tinha que pagar é 20. Isso sim é trazer divisas.